Marcelo Barradas
SOBRE O AUTOR

Marcelo Barradas

 

Primeiro Mutirão da Transparência

7 de Agosto de 2017 às 16:00
Reunião sobre o evento. Reunião sobre o evento.Foto: Ascom - APPM
Reunião sobre o evento.Reunião sobre o evento.Foto: Ascom - APPM

Acontece nos dias 08 e 09 de agosto, o primeiro Mutirão da Transparência, uma iniciativa da Justiça Federal do Piauí, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e a Associação Piauiense de Municípios (APPM).  A iniciativa tem como objetivo contribuir com os municípios para que esses resolvam as deficiências dos seus Portais da Transparência.

O presidente da APPM, Gil Carlos, esteve na manhã desta quinta-feira (03), na sede da Justiça Federal do Piauí, em reunião com a juíza Marina Cavalcante, para acertar detalhes do Mutirão da Transparência. Cerca de 60 municípios foram convocados nessa etapa, sendo que 10 deles utilizam o sistema da APPM.

A juíza federal espera que os processos sejam extintos durante essa atividade de conciliação. “Observamos muitos avanços nos portais municipais da transparência, mas o MPF avalia que algumas pendências têm que ser resolvidas e o mutirão foi criado para isso. Os municípios deverão resolver antes esses entraves e apresentar o trabalho durante o evento. Se, por ventura, ainda houver alguma pendência, os órgãos envolvidos estarão aqui para auxiliá-los”, destaca Marina Cavalcante.

O presidente da APPM expôs as ações já promovidas pela entidade a fim de fornecer as condições necessárias ao correto cumprimento da lei da transparência.

“Criamos um sistema auferido e aprovado pelos órgãos de controle. Capacitamos os servidores municipais, tanto na parte legal quanto na técnica, mas ainda encontramos problemas estruturais em alguns municípios, como falta de internet e até de energia elétrica, então temos que ser sensíveis a essas dificuldades. Acreditamos que com esse mutirão, os problemas detectados pelo MPF serão corrigidos”, completa o presidente.

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do R10.